Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência – P300

Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência – P300

Para quê

A audição humana é um importante fator que colabora para desenvolver habilidades de atenção, memória e discriminação auditiva. O processamento das informações sonoras depende de todo o funcionamento do sistema auditivo desde sua porção periférica até a sua porção mais central. Para avaliar essa capacidade e identificar possíveis problemas, o Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência é de fundamental importância.

O que é Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência?

O Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência-P300 é considerado um potencial cognitivo, por refletir o uso funcional que o indivíduo faz do estímulo auditivo, sendo altamente dependente das habilidades cognitivas, dentre elas a atenção e a discriminação auditiva.

O exame auxilia na análise do Processamento Auditivo Central (PAC), por meio da observação de processos que ocorrem no córtex cerebral e estão relacionados com a cognição, memória e atenção auditivas. Estes processos são necessários ao processamento auditivo central. Em outras palavras, o procedimento permite avaliar a atividade cortical envolvida nas habilidades de discriminação, integração e atenção do cérebro.

A sua resposta envolve várias vias do cérebro, como as do tronco cerebral, córtex pré-frontal e temporo-parietal, tálamo, hipocampo e região límbica, relacionadas com a capacidade de aprendizagem, memorização e atenção.

Quem deve realizar o exame?

O P300 é capaz de identificar precocemente alterações nos componentes da audição humana. Também previne alterações no aprendizado, fala e desenvolvimento do indivíduo. Dessa maneira, o exame é indicado, sobretudo, para crianças em idade escolar que apresentam dificuldade de aprendizado por conta de desatenção, falta de concentração, incapacidade de entender o que foi falado e problemas similares.

Como é feito o exame?

Para a realização do Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência, o paciente é exposto a estímulos sonoros raros e frequentes. O aparelho utilizado registra a onda elétrica gerada e o médico irá interpretar os parâmetros de latência e amplitude. O atraso na latência da onda do P300 ou a ausência desta, pode indicar algum distúrbio do Processamento Auditivo Central, sendo os mais comuns:

  • distúrbios da cognição, relacionados à patologias neurológicas;
  • distúrbios do PAC em crianças com dificuldades de aprendizagem;
  • distúrbio do PAC em idosos com dificuldade de compreensão da fala em ambientes ruidosos;
  • detecção de simuladores de perdas auditivas.

O procedimento é simples, rápido e indolor. Recomenda-se que o paciente esteja bem descansado para realizar o exame.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco. Aproveite, também, para ler este artigo: “Perda de audição prejudica a qualidade de vida se não for tratada”.

 

Agendamento

Faça seu pré-agendamento com facilidade preenchendo o formulário ou ligue para (48) 3224-1111.