Sintomas, tratamentos e causas Polipose nasossinusal

sintomas-tratamentos-e-causas-polipose-nasossinusal

Por: - CRM 11052 / RQE 7503
Publicado em 20/11/2019

Sintomas, tratamentos e causas Polipose nasossinusal

Pouco frequente, a polipose nasossinusal pode ser confundida com doenças alérgicas mais comuns, como a rinite e sinusite. Apesar de os sintomas serem similares, a condição apresenta características distintas que podem levar a diferentes complicações caso não seja tratada adequadamente.

Ouça este conteúdo:

 

Neste artigo, você confere as principais causas, sintomas e tratamentos para entender melhor do que se trata a polipose nasossinusal. Boa leitura!

O que é polipose nasossinusal?

A polipose nasossinusal – ou simplesmente pólipo nasal – é uma doença inflamatória crônica que atinge a mucosa respiratória nasal e os seios paranasais. Trata-se de pequenos tumores benignos decorrentes de inflamação na região, não apresentando o risco de evoluir para um quadro de câncer.

Geralmente, os pólipos se apresentam na forma de lágrimas ou pequenas uvas que se formam ao redor das cavidades dos seios paranasais. A grande maioria dos pólipos cresce nos canais interiores ou nos seios nasais, embora alguns possam se desenvolver no início do nariz.

Quais são as causas?

A medicina ainda não conhece completamente as causas da polipose nasossinusal. Contudo, há uma relação entre predisposição genética e processos inflamatórios crônicos das vias áereas que podem levar ao desenvolvimento da condição. Além disso, pacientes que sofrem com o problema apresentam uma hiperatividade do sistema imunológico.

Existem fatores de risco?

Apesar de as causas não serem totalmente conhecidas, sabe-se que alguns fatores de risco podem contribuir para a polipose nasossinusal. Dentre eles, podemos citar:

  • predisposição do sistema imunológico;
  • sinusite crônica e recorrente;
  • rinite alérgica;
  • asma;
  • doenças alérgicas;
  • alergia à aspirina;
  • alterações obstrutivas do nariz e seio da face.

Quais são os sintomas?

Em alguns casos, a polipose nasossinusal não apresenta qualquer tipo de sintoma e pode passar despercebida pelo paciente, principalmente se o pólipo for pequeno. Já os pólipos maiores ou um conjunto de pólipos agrupados podem causar sintomas bastante incômodos, sendo que os principais são:

  • diminuição ou perda do olfato;
  • obstrução e congestão nasal;
  • coriza persistente;
  • dores no seio da face;
  • alteração no paladar;
  • tosse.

Quais as complicações da polipose nasossinusal?

Caso não seja tratada adequadamente, a polipose nasossinusal pode facilitar a ocorrência de infecções respiratórias, como a sinusite crônica, por bloquear o fluxo de ar nas vias aéreas e cessar a drenagem do fluido contido dentro dos pólipos. Além disso, a condição também pode causar crises de asma, apneia obstrutiva do sono, infecções nos olhos e meningite.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico deve ser realizado por um médico otorrinolaringologista, que pode diagnosticar a polipose nasossinusal apenas pelos sintomas relatados pelo paciente ou através de um exame físico. No entanto, a confirmação do diagnóstico deve ser realizada por meio de exames específicos como a endoscopia nasal ou tomografia computadorizada.

Quais são os tratamentos?

O tratamento para a polipose nasossinusal é individualizado e varia de acordo com o quadro de cada paciente. Na grande maioria dos casos, o tratamento é clínico e deve ser realizado com o uso de corticoides em formato de spray com aplicação diretamente na região afetada.

 

Se os corticoides nasais não apresentarem o efeito desejado, o médico responsável pode prescrever o uso de corticoides por via oral. Caso nenhum dos tratamentos seja efetivo, é necessário realizar um procedimento cirúrgico para a retirada dos pólipos nasais.

A polipectomia – como é chamada a cirurgia de remoção dos pólipos nasais – é realizada por meio de um procedimento endoscópico do nariz e dos seios da face. A cirurgia é feita com aplicação de anestesia local e possui duração média de 1 hora. A recuperação ocorre em cerca de 15 dias.

Durante o pós-operatório, é importante que o paciente retorne ao consultório para que o otorrino realize a limpeza da cavidade nasal. Além disso, é preciso seguir as orientações específicas repassadas pelo profissional para garantir o sucesso da cirurgia.

Como prevenir?

O tratamento clínico e cirúrgico podem eliminar os pólipos nasais, mas não oferecem uma solução definitiva para o problema. Com o passar do tempo, os pólipos podem reaparecer, principalmente se o paciente não adotar hábitos preventivos. 

Por isso, é importante seguir alguns cuidados especiais para prevenir e reduzir as chances de desenvolver polipose nasossinusal, além de evitar o reaparecimento de novos pólipos. Confira o que você pode fazer:

  • usar corticoide intranasal conforme orientação médica;
  • manter doenças alérgicas, como asma, rinite e sinusite, bem controladas;
  • evitar contato com substâncias alérgenas;
  • realizar lavagens nasais frequentes com soro fisiológico;
  • evitar ambientes com ar seco;
  • lavar as mãos regularmente.

Se restou alguma dúvida, entre em contato conosco e mande sua pergunta. Em breve, iremos lhe responder. Para continuar acompanhando mais conteúdos como este, nos siga no Facebook e Instagram. Até a próxima!

Material escrito por:
- CRM 11052 / RQE 7503

O Dr. Juliano Colonetti é formado em medicina pela Universidade Católica de Pelotas e especialista em Otorrinolaringologia pela Aborlccf. Fez estágios e especializações em Rinologia, Cirurgia Endoscópica Endonasal e Cirurgia de Base de Crânio na Austrália e Itália. Seus principais interesses são a cirurgia de base de crânio, rinologia e rinoplastia.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.