Quais as causas da labirintite?

quais-as-causas-da-labirintite

Por: - CRM 14548/RQE 7163
Publicado em 01/11/2018 - Atualizado 15/03/2019

Quais as causas da labirintite?

A labirintite é uma doença que atinge principalmente adultos a partir dos 40 anos e que se caracteriza por uma infecção ou inflamação no labirinto, que é a estrutura interna do ouvido.

Além dos sintomas, é fundamental conhecer as causas da labirintite, pois o tratamento depende exclusivamente da definição do que está gerando as tonturas e vertigens.

Nesse artigo, você obterá informações essenciais sobre a doença a fim de conseguir identificá-la o quanto antes e, assim, evitar que a sua qualidade de vida fique comprometida.  

O que é e quais os sintomas da labirintite?

O termo labirintite foi dado justamente porque trata-se de um processo inflamatório agudo que atinge e compromete as funções do labirinto. Essa estrutura localizada na parte interna do ouvido é composta por duas estruturas, que se comunicam diretamente com o sistema nervoso central:

  • Cóclea: responsável pelo sentido da audição;
  • Vestíbulo: influencia diretamente no equilíbrio.

Assim, a labirintite é justamente a doença em que ambos os sentidos acima são afetados, passando a surgir sintomas como:

  • Tontura;
  • Vertigem;
  • Perda auditiva;
  • Zumbido;
  • Sensação de ouvido tampado;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Sudorese;
  • Distúrbios gastrointestinais;
  • Dificuldade em manter-se de pé;
  • Cefaleia.

Causas da labirintite

A lista de causas da labirintite é extensa e elas podem estar vinculadas tanto a questões físicas quanto psicológicas.

Dentre as causas mais comuns, destaca-se a infecção viral. Pelo menos em metade dos casos da doença, os pacientes sofreram com alguma virose respiratória recente, como gripe, faringite ou sinusite.

As infecções bacterianas, como otite e meningite, apesar de mais raras, igualmente podem desencadear o problema. Nesse caso, a doença atinge um patamar um pouco mais grave que as virais.

As alterações metabólicas e vasculares também costumam influenciar no surgimento da doença. Pessoas com níveis inadequados de colesterol, triglicérides e ácido úrico, por exemplo, têm suas artérias comprometidas e, consequentemente, há a redução na quantidade de sangue que circula até as áreas do labirinto e cerebrais.

Outras possíveis causas da labirintite são:

  • Distúrbios hormonais;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Uso excessivo de medicamentos e drogas;
  • Modificações genéticas ou traumas que levem a alterações nas estruturas anatômicas;
  • Alterações neurológicas e endócrinas;
  • Lesões na região da cabeça.

Além disso, as causas da labirintite podem ter origem emocional, como estresse, depressão, ansiedade ou qualquer outra doença orgânica que comprometa o Sistema Límbico.

Como tratar a labirintite?

Dependendo das causas da labirintite, a doença pode melhorar com o tempo e naturalmente. Porém, como muitas vezes os sintomas surgem de forma muito intensa e prolongada, o médico pode recomendar alguns tratamentos mais específicos a fim de evitar que a qualidade de vida do paciente fique comprometida.

Tanto o repouso quanto a hidratação são indicados em todas as situações, pois promovem a recuperação do organismo.

A terapia medicamentosa também é muito comum, porém depende dos sintomas e das causas da labirintite. Nos casos de origem viral, por exemplo, pode ser recomendado a ingestão de corticoides, enquanto os antibióticos podem ser administrados quando a labirintite for de origem bacteriana.  

Já para quem sofre com enjoos e, consequentemente, está com dificuldade de se alimentar, pode ser indicado o uso de medicamentos, para aliviar esse sintoma.

É importante destacar que o tratamento deve ser realizado somente após o diagnóstico efetivo de que a pessoa está com a doença. É fundamental que haja esse entendimento porque, apesar de todos os casos de labirintite ter como sintoma principal a tontura, nem toda tontura significa uma labirintite.

Assim, cabe ao médico especialista avaliar cada caso e, se confirmado, analisar as causas da labirintite e, posteriormente, recomendar a melhor alternativa para tratá-la.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco e agende uma visita ao CDO!

Material escrito por:
- CRM 14548/RQE 7163

Natural de Florianópolis, o Dr. Rafael Pinz fez sua graduação e residência médica na Faculdade de Medicina na USP. É especialista em Otorrinolaringologia pela Associação Médica Brasileira e membro da Aborlccf. Seus principais interesses são o tratamento clínico e cirúrgico das doenças do nariz e do sistema vestibular.