Guia do implante coclear: tudo o que você precisa saber sobre a cirurgia

guia-do-implante-coclear-tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-a-cirurgia

Por: - CRM 17577 / RQE 9569
Publicado em 07/08/2019

Guia do implante coclear: tudo o que você precisa saber sobre a cirurgia

Os avanços na medicina e tecnologia permitiram que pacientes com surdez voltassem a ouvir com a ajuda de métodos inovadores. Para níveis variados de perda de audição, os aparelhos auditivos são suficientes para solucionar a dificuldade de ouvir, mas em casos de surdez profunda, o implante coclear é a melhor alternativa para devolver a capacidade auditiva.

Ouça este conteúdo: 

 

Na infância, a surdez profunda dificulta a modulação vocal e prejudica o desenvolvimento da linguagem, causando isolamento social e, em muitos casos, distúrbios psicológicos que afetam o aprendizado da criança. Em pacientes adultos e idosos, o problema reflete em todo o estilo de vida, o que também resulta em isolamento social e pode levar ao desenvolvimento de doenças graves, como a depressão. 

Para resgatar a qualidade de vida, a cirurgia de implante coclear representa um avanço significativo no tratamento da deficiência auditiva, proporcionando diversos benefícios aos pacientes que passam pelo procedimento. Continue a leitura e descubra tudo o que você precisa saber sobre o aparelho!

O que é implante coclear?

Popularmente conhecido como ouvido biônico, o implante coclear é um aparelho eletrônico introduzido cirurgicamente na orelha interna do paciente. O dispositivo substitui as células do ouvido interno ao estimular o nervo auditivo e permite devolver a audição para pacientes que apresentam surdez severa ou profunda.

O aparelho é constituído por duas partes: a interna e a externa. A parte externa fica aparente no ouvido do paciente, sendo composta por um microfone, uma antena transmissora e um processador de fala. Já a parte interna é constituída por um receptor e um conjunto de eletrodos, que é posicionado dentro da cóclea.

Como o implante funciona?

Diferente dos aparelhos auditivos convencionais, que amplificam o som e o enviam através do canal auditivo normal, o implante coclear envia o sinal sonoro diretamente para o nervo auditivo, que por sua vez capta os sinais e os enviam até o cérebro para que possam ser interpretados como som, dispensando a necessidade da presença das células ciliadas da cóclea. 

Para quem é indicado?

Inicialmente, o implante coclear era indicado apenas para pacientes que não obtinham sucesso com o uso de aparelhos auditivos convencionais. Hoje, a recomendação da cirurgia abrange pacientes de todas as idades, desde bebês até idosos, sendo que eles são divididos em dois grupos:

Pacientes pré-linguais

Os pacientes pré-linguais são aqueles que nasceram com surdez e apresentam perda auditiva neurossensorial bilateral de grau severo a profundo, com reabilitação fonoaudiológica efetiva há pelo menos 3 meses ou desde a realização do diagnóstico, e que não se beneficiam com o uso do aparelho auditivo convencional. 

Nesses casos, a recomendação é de que a cirurgia seja feita entre 1 e 2 anos de idade.Quanto mais cedo o procedimento for realizado, melhores serão os resultados para o desenvolvimento da linguagem da criança.

Pacientes pós-linguais

Neste grupo, estão os pacientes que apresentaram surdez após o desenvolvimento da fala – geralmente são pacientes idosos – e que também apresentam perda auditiva neurossensorial bilateral de grau severo a profundo e não obtiveram um resultado satisfatório com o uso de aparelhos convencionais.

O implante coclear pode ser realizado em qualquer faixa etária, mas quanto maior for o tempo de surdez, piores serão os resultados. Por isso, recomenda-se que o procedimento seja realizado o quanto antes.

Quais são as etapas que antecedem a cirurgia?

O processo de preparação para a cirurgia de implante coclear exige a participação de uma equipe multidisciplinar para que o paciente esteja apto ao procedimento e tenha sucesso com o tratamento. Existem diversas etapas antecedentes à cirurgia que devem ser obrigatoriamente seguidas:

Avaliação médica

Inicialmente, o paciente deve ser submetido a uma avaliação médica com um otorrinolaringologista, a fim de identificar a causa, o tipo e a gravidade da surdez. Além disso, são solicitados exames auditivos e de imagem, como audiometria, BERA, , ressonância magnética e tomografia computadorizada para verificar a anatomia da orelha interna e  a existência de possíveis doenças que devem ser tratadas antes do implante coclear.

Avaliação fonoaudióloga

A avaliação com um fonoaudiólogo tem como objetivo avaliar, sobretudo, o grau de surdez, a linguagem emissiva e a adaptação ao aparelho auditivo convencional. Se o implante coclear for a melhor opção, o profissional irá realizar testes auditivos, de linguagem e exercícios vocais que irão preparar o paciente para conviver com o implante após a realização do procedimento.

Como é feita a cirurgia?

A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar e possui duração média de 2 horas. Normalmente requer 1 dia de internação hospitalar. O cirurgião faz um pequeno corte atrás da orelha do paciente e realiza  a abertura do osso da mastoide (mastoidectomia).,Na sequência identifica a cóclea onde os eletrodos são inseridos.

Em seguida, o processador interno é colocado embaixo do couro cabeludo, na região atrás da orelha. Para finalizar, a área operada é fechada com pontos, e um curativo compressivo  é colocado no local. 

Durante o período pós-operatório, o paciente deve evitar tomar Sol ou fazer esforço físico por 30 dias. A recuperação costuma ser tranquila e com pouca dor.

Como é a reabilitação?

O aparelho eletrônico só é ativado de 4 a 6 semanas após a cirurgia, já que esse é o tempo necessário para a cicatrização do local operado. A ativação deve ser feita por um fonoaudiólogo treinado, que irá acoplar o processador de fala ao computador ajustar parâmetros como velocidade e intensidade de estímulo. Em seguida, alguns testes são realizados em busca da sensação auditiva do paciente e de sua reação a estes estímulos.

Em adultos que desenvolveram perda auditiva após o aprendizado da linguagem, a ativação costuma ser bastante positiva, uma vez que o cérebro já conhecia os sons antes da surdez. Nesses casos, é possível atingir alta porcentagem de reconhecimento de palavras, frases e dos mais diversos sinais sonoros.

Em pacientes pré-linguais, a ativação do implante coclear pode causar estranheza e ser interpretado de várias formas. Por isso, é importante fazer acompanhamento profissional até que o paciente se adapte a sua nova realidade. 

Se ainda restaram dúvidas, entre em contato conosco e nos envie sua pergunta. Para conferir mais conteúdos como este, fique ligado em nosso Facebook e Instagram. Sempre tem novas dicas, conteúdo e novidades por lá. Até a próxima!

Material escrito por:
- CRM 17577 / RQE 9569

Dr. André Maranhão é formado em medicina, especialista em otorrinolaringologia pela PUC-PR, mestre e doutor em otorrinolaringologia pela Unifesp. Dedica-se à Otologia e tem como áreas de interesse o tratamento clínico e cirúrgico de doenças que afetam o ouvido.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.