Desvio de septo: quando optar pela cirurgia?

desvio-de-septo-quando-optar-pela-cirurgia

Por: - CRM 11052 / RQE 7503
Publicado em 08/12/2018 - Atualizado 23/08/2019

Desvio de septo: quando optar pela cirurgia?

O desvio de septo é uma condição que afeta 85% da população em diferentes graus de severidade. Ele se caracteriza por uma deformidade na estrutura interna do nariz, levando a diversos desconfortos, como a dificuldade para respirar. Por isso, a queixa mais frequente de quem sofre com o desvio do septo é a sensação de “nariz entupido”, causado pela diminuição da passagem de ar pelo nariz..  

O tratamento mais eficaz para a cura do desvio de septo é a realização da cirurgia de septoplastia. Porém, nem sempre o procedimento cirúrgico é necessário, cabendo ao otorrinolaringologista avaliar o quanto a respiração está sendo afetada e se não há outros motivos que estão causando essa obstrução.

Confira abaixo mais informações sobre o desvio de septo e quando é indicado optar pela cirurgia.

O que é desvio de septo e quais os distúrbios que ele pode causar

O desvio de septo caracteriza-se pela alteração anatômica do septo nasal, que é estrutura que divide as duas fossas nasais. Nessa condição, ao invés de ficar centralizado, ele se desloca para um dos lados, levando ao bloqueio parcial ou total de uma ou das duas fossas nasais.

Além de levar à obstrução nasal, fazendo com que a respiração fique comprometida, o desvio de septo pode contribuir para o surgimento de outras complicações. Dentre elas, destacam-se:

  • Infecções nas vias aéreas, como sinusite, amigdalite e faringite;
  • Sangramentos nasais;
  • Cefaleia;
  • Ronco;
  • Síndrome da apneia obstrutiva do sono.

Quando é recomendada a cirurgia?

Apesar de o tratamento mais eficiente para desvio de septo ser o cirúrgico, é preciso avaliar o grau do desvio e os sintomas que ele apresenta para realmente avaliar a necessidade de uma cirurgia.

Dentre essas avaliações, o otorrinolaringologista deve descartar a existência de outras patologias, como alergias, que possam ser o motivo principal para que a pessoa esteja sofrendo com a obstrução nasal.  

Um dos fatores que demonstram a necessidade de realizar a septoplastia é quando a obstrução nasal está levando a uma piora na qualidade de vida do paciente.

Ou seja, quando está provocando desconfortos como:

  • Dificuldade para dormir;
  • Respiração pela boca;
  • Dores de cabeça constantes;
  • Cansaço extremo;
  • Dificuldade para sentir gostos e cheiros;
  • Redução no fôlego durante a realização de atividades físicas.

Além disso, a cirurgia é recomendada quando o tratamento clínico não surtiu qualquer efeito positivo na redução do nariz entupido, comprovando que o problema é estrutural.

Saiba mais sobre os tipos de cirurgia no nariz neste vídeo do Dr. Juliano Colonetti, da equipe CDO.

Como é feita a cirurgia

O procedimento cirúrgico é feito sob anestesia geral ou local e consiste em descolar a mucosa que reveste a cartilagem e o osso do septo a fim de remover as partes desviadas e recolocar a mucosa de forma centralizada. O procedimento cirúrgico tem duração de 20 a 40 minutos, em média, e o paciente tem alta no mesmo dia.

Apesar de se tratar de uma cirurgia considerada baixa complexidade, ela requer alguns cuidados pós-operatórios que serão explicitados pelo seu médico otorrinolaringologista. 

Se você quiser saber mais sobre a septoplastia, conheça agora os tratamentos para a saúde do nariz realizados pelo CDO!

Material escrito por:
- CRM 11052 / RQE 7503

O Dr. Juliano Colonetti é formado em medicina pela Universidade Católica de Pelotas e especialista em Otorrinolaringologia pela Aborlccf. Fez estágios e especializações em Rinologia, Cirurgia Endoscópica Endonasal e Cirurgia de Base de Crânio na Austrália e Itália. Seus principais interesses são a cirurgia de base de crânio, rinologia e rinoplastia.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.