Coronavírus: O que fazer em caso de aparição de sintomas?

coronavirus-o-que-fazer-em-caso-de-aparicao-de-sintomas

Por: - CRM 4228 / RQE 4084
Publicado em 20/04/2020 - Atualizado 28/04/2020

Coronavírus: O que fazer em caso de aparição de sintomas?

Desde que o Ministério da Saúde declarou a transmissão comunitária do novo coronavírus, qualquer paciente que apresente sintomas respiratórios são potenciais suspeitos de serem portadores da COVID-19. O problema é que os sintomas do coronavírus são muito similares aos de gripes e resfriados comuns, o que pode dificultar a sua correta identificação.

Ouça este conteúdo: 

 

Mas, antes de sair correndo para o hospital, é preciso ter uma forte suspeita de que você realmente está infectado com o coronavírus, e não com uma simples gripe ou complicação respiratória. Neste artigo, vamos te ajudar a entender melhor os principais sintomas do coronavírus e qual o melhor momento para procurar atendimento médico. Continue a leitura e saiba mais!

Quais os sintomas do coronavírus?

Por se tratar de um novo vírus, os sintomas ainda estão sendo descobertos pela comunidade científica ao longo da pandemia. O que se sabe é que o quadro da COVID-19 é muito similar ao de outras complicações respiratórias. Dentre os principais sintomas conhecidos, podemos destacar:

  • febre;
  • tosse;
  • coriza;
  • cansaço;
  • dificuldade para respirar (em casos mais graves).

Como você pôde notar, são sintomas que podem ser facilmente confundidos com gripes e resfriados e até mesmo com complicações respiratórias, como asma e rinite. A boa notícia é que, com o avanço nas pesquisas sobre o novo coronavírus, está ficando mais simples distinguir a COVID-19 de outras doenças respiratórias.

Na busca contínua para compreender melhor o vírus e seus efeitos no corpo humano, novos estudos têm apontado outros sintomas que se diferem dos provocados por reações alérgicas e respiratórias. Segundo uma pesquisa realizada por médicos chineses, quase metade dos pacientes contaminados também se queixaram de falta de apetite, ânsia de vômito, dor de barriga e alterações no olfato e paladar.

Outro estudo publicado no Journal of the American Medical Association revelou que, pelo menos, 10% dos pacientes contaminados apresentaram diarreia e náuseas antes dos sintomas clássicos de febre e dificuldade para respirar. 

Como diferenciar os sintomas do coronavírus de gripes e resfriados?

Apesar de possuírem sintomas semelhantes, a intensidade e frequência com que eles surgem podem ser determinantes para diferenciar a COVID-19 de gripes e resfriados comuns. Para evidenciar as diferenças, preparamos um quadro explicativo de acordo com informações do Ministério da Saúde:

como-diferenciar-a-covid-19-de-gripes-e-resfriados

O que fazer em caso de suspeita de COVID-19?

Em caso de sintomas leves, como tosse e coriza por alguns dias, não há motivos para procurar atendimento médico. A recomendação é que você permaneça em isolamento domiciliar, seguindo algumas recomendações básicas de saúde:

  • procure se hidratar com frequência;
  • mantenha uma alimentação saudável;
  • evite esforço físico;
  • se necessário, tome antitérmicos e analgésico para aliviar os sintomas.

Ao longo dos dias, procure observar como você está se sentindo. Se notar que o quadro está evoluindo e você está começando a apresentar febre alta persistente e tosse acompanhada de desconforto respiratório, é hora de procurar atendimento médico e realizar o diagnóstico.

Como é feito o diagnóstico para identificar o coronavírus?

O diagnóstico de coronavírus é realizado por meio de duas coletas de amostras contendo materiais respiratórios, que podem ser obtidas pela aspiração das vias aéreas ou indução de escarro. Após a coleta, uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e a outra para análise de metagenômica.

Após a confirmação do diagnóstico, o médico responsável irá orientar cada paciente individualmente sobre os cuidados mais adequados para cada caso. Pacientes que apresentam sintomas leves podem ficar em casa e buscar ajuda médica somente se os sintomas se agravarem.

Já pacientes com sintomas mais graves, sobretudo dificuldade para respirar, devem permanecer em internação hospitalar para receber os cuidados necessários. Como não ainda não existe uma vacina ou tratamento específico para combater o coronavírus, as medidas adotadas visam minimizar os sintomas e evitar a evolução do quadro. 

Caso tenha restado alguma dúvida, entre em contato conosco. Nossa equipe está com vocês na luta para vencer o coronavírus!

Material escrito por:
- CRM 4228 / RQE 4084

Diretor técnico do CDO, o Dr. Paulo Crespi é também um dos fundadores da clínica. Possui pós-graduação em otorrinolaringologia e mestrado em otoneurologia pela USP. Já exerceu cargos de chefia e presidência na Sociedade Catarinense de Otorrinolaringologia, nos departamentos de otorrinolaringologia do Hospital Geral Celso Ramos e da Associação Catarinense de Medicina.

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.