Fatores de risco para o câncer na cabeça e pescoço

cancer-na-cabeca-e-pescoco

Por: - CRM 15664 / RQE 12369
Publicado em 25/01/2019

Fatores de risco para o câncer na cabeça e pescoço

O câncer na cabeça e pescoço é considerado, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o quinto tipo de carcinoma mais comum em mulheres e o segundo que mais atinge os homens.

Essa doença abrange todos os tumores que se manifestam nessas regiões do corpo. O destaque fica para região da boca, da faringe e da laringe. Somente no Brasil, a Fundação do Câncer destaca que foram registrados, aproximadamente, 32 mil novos casos, em 2018.

Como a enfermidade pode causar danos na fala e, até, na alimentação, é importante conhecer os fatores de risco para o câncer na cabeça e pescoço. Confira, abaixo, esses fatores e conheça, também os seus principais sintomas.

Fique atento aos principais fatores de risco do câncer na cabeça e pescoço

O tabaco é considerado um dos principais causadores do câncer de cabeça e pescoço. Isso porque a fumaça da maioria dos cigarros, charutos e cachimbos é composta por cerca de 70 outras substâncias cancerígenas.  

Quando o fumo é associado ao álcool, os riscos são ainda maiores. Principalmente as bebidas destiladas, que, por possuírem maior teor alcoólico, geram maior irritação e danos aos tecidos.

Para se ter uma ideia, fumantes que bebem exageradamente possuem de 40 a 100 vezes mais riscos de desenvolver algum câncer na cabeça e pescoço.

Os demais fatores que costumam estar vinculados ao surgimento dos tumores nessa região, são:

  • infecções pelo papilomavírus humano (HPV) – transmitido, principalmente, por meio de relações sexuais, o HPV é observado em até 30% dos casos de câncer na cabeça e pescoço.
  • Saúde bucal – a falta de cuidado com a higiene bucal, a ausência de dentes e o uso de antisséptico bucal com teor alcoólico muito alto são fatores que podem levar ao surgimento de tumores na boca.
  • Hábitos alimentares – o consumo de alguns alimentos em conserva ou muito salgados, principalmente durante a infância, pode desencadear o surgimento de câncer de nasofaringe.
  • Exposição ocupacional – pessoas que se expõem com frequência a substâncias como pó de madeira, amianto, fibras sintéticas ou níquel têm mais chances de desenvolver câncer na cabeça e pescoço.
  • Depressão imunológica – pacientes que passaram por transplantes de órgãos e precisam tomar imunossupressores para não haver rejeição, assim como portadores do vírus HPV, também têm mais probabilidade de terem esse tipo de tumor.

Sintomas do câncer na cabeça e pescoço

Para facilitar o diagnóstico do câncer na cabeça e pescoço, é fundamental conhecer os seus sintomas mais comuns. São eles:

  • presença de feridas de difícil cicatrização na boca ou na garganta;
  • dor frequente na garganta ou no pescoço;
  • sangramento ou dor durante a escovação dos dentes;
  • dificuldade para engolir;
  • rouquidão, tom de voz anormal ou dificuldade para falar;
  • manchas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengiva, céu-da-boca e bochecha;
  • aumento dos gânglios linfáticos ou presença de nódulos no pescoço.

Outros sinais de alerta que podem surgir são: aftas, mudança no paladar, sangramento local e perda de peso sem motivo aparente.

Ao notar um desses indícios, procure imediatamente um otorrinolaringologista para que sejam realizados os exames necessários e o diagnóstico preciso. Com isso, fica mais fácil iniciar o quanto antes o tratamento adequado e, assim, obter resultados mais eficientes.

Em caso de dúvida, entre em contato conosco que ficaremos felizes em ajudar.

Material escrito por:
- CRM 15664 / RQE 12369

Dr. Rafael Goulart é formado em medicina pela Unisul, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Seus principais interesses são cirurgias da tireoide, de tumores na cabeça e pescoço e cirurgias na boca, laringe e faringe.