Stacks Image 675
Tem alguma dúvida ou quer saber mais sobre um problema de saúde da área de Otorrinolaringologia? Acesse conteúdo de qualidade preparado por nossos profissionais.
Stacks Image 676
Conheça as cirurgias realizadas pela equipe do CDO. Aqui você também encontra informações detalhadas sobre cada procedimento, orientações, ilustrações e vídeos.
Stacks Image 677
O CDO dispõe de uma grande variedade de exames complementares. Tudo para ajudar no seu diagnóstico e melhorar a sua vida.
Stacks Image 678

Otite Externa - Um Problema no Verão


Por Dr. Rafael Pinz

O verão está aí, muito sol, praia, piscina e.... água no ouvido.


Nesta época do ano, é muito comum ouvirmos nossos pacientes reclamando de dor no ouvido:
- "Entrou água no ouvido, parece que não saiu e, agora, uns 2 dias depois começou a doer muito!"
- "Meu filho ficou na piscina o final de semana inteiro e ontem à noite começou a chorar. Diz que o ouvido dói muito! Não deixa nem chegar perto!"

Queixas como estas são bastante típicas de uma doença que acontece muito no verão: a otite externa aguda. Também conhecida como "orelha do nadador", ela é uma infecção bastante comum e atinge principalmente nadadores (ou pessoas que frequentam muito mar ou piscina), indíviduos suscetíveis a reter água no conduto auditivo externo (canal do ouvido), pacientes expostos à umidade e pessoas que usam excessivamente cotonetes ou outros instrumentos para limpar o ouvido.

Em geral, o problema começa com sensação de coceira no ouvido devido à remoção da cera (clique aqui para saber mais sobre a cera do ouvido). No verão, o canal do ouvido se torna mais úmido, a coceira aumenta e o paciente começa a coçar a orelha na tentativa de aliviar esta sensação. Isto causa pequenos ferimentos na pele do canal, tornando o ouvido vulnerável à entrada de bactérias, que passam a se proliferar e causar problemas.

Sintomas mais comuns

O sintoma mais comum nos pacientes com otite externa é a dor. Em geral, a dor tem intensidade moderada, mas em alguns casos é bastante forte e causa um enorme desconforto ao paciente, o qual não consegue sequer tocar a própria orelha ou deitar sobre ela. Devido à proximidade com a articulação temporo-mandibular (ATM), pode haver desconforto para abrir e fechar a boca e para mastigar. Em casos mais graves, pode haver diminuição da audição (devido ao inchaço do canal) e febre.

Então, o que fazer nestes casos?

Em primeiro lugar, não tente usar qualquer método (cotonete, grampos, lavagens) para aliviar a sensação de coceira ou de ouvido tampado.
A coisa certa a ser feita é agendar uma consulta com o otorrinolaringologista, o qual fará o diagnóstico correto (afinal, outras doenças podem causar sintomas semelhantes) e iniciará o tratamento.
O primeiro passo do tratamento consiste na limpeza do canal do ouvido através de sucção sob visualização direta. A seguir, a aplicação e prescrição de medicamentos sob a forma de gotas para pingar no ouvido. E por fim, o acompanhamento até a resolução do caso. Em casos mais graves, pode ser necessária a utilização de antibióticos por via oral e o uso de anti-inflamatórios.

Dicas para um ouvido saudável no verão:

  • Cera no ouvido não é sujeira, é proteção. Portanto, não remova a cera.
  • Não use cotonetes ou qualquer instrumento para manipular o ouvido.
  • Não pingue nada no ouvido sem o conhecimento de seu médico otorrinolaringologista.
  • Se você tem facilidade em reter água no ouvido, considere usar um tampão quando estiver praticando atividades na água (natação, polo, surf, etc). Existe inclusive a possibilidade de fazer um tampão sob medida para perfeita vedação do conduto auditivo.
  • Se alguma coisa está incomodando, coceira, sensação de ouvido tampado, dor, evite deixar entrar água no ouvido (inclusive durante o banho) e agende consulta com um otorrinolaringologista.
  • Dor associada à febre é sinal de problema, procure um especialista para uma avaliação o mais rápido possível.
  • Após a avaliação médica, siga as instruções do tratamento adequadamente.